STIBIUM – TURVO

Entre os muitos (muitos!) lançamentos anuais da Mansarda Records, é difícil tanto acompanhar tudo quanto destacar um ou outro, dada a qualidade das improvisações livres.

O Stibium (antimônio ou estíbio, elemento químico empregado em ligas metálicas pra proteger pinturas contra o fogo e usado em fogos de artifício) pode ser destacado tanto quanto obras do Bramir, Dias/Thanus/Munhoz, Luciano Zanatta e por aí vai, em trabalhos que sempre entortam a compreensão. A dica é vez por outra entrar no site do selo e se certificar de que não deixou passar nada.

Em “Turvo”, a explicação oficial é a seguinte: “esta gravação era originalmente apenas um ensaio de duas horas pra um concerto que faríamos naquela noite. Infelizmente o show foi cancelado e ficamos bastante entristecidos mas mantivemos o horário no estúdio, até mesmo porque não tocávamos como Stibium já há mais de seis meses. Havíamos decidido, um dia, que a Stibium teria apenas gravações ao vivo, como aquela que pode ser conferida em MSRCD070 – ‘Live at Jazz No Hope’. Mas o momento era aquele: tínhamos um gravador digital e sabíamos que seria excelente, maior do que todas as não lançadas – e hoje perdidas! – poucas horas de nossos ensaios. Um álbum de estúdio estava pra nascer. Após meia hora de acerto de microfones e instrumentos, começamos a gravar. Seguindo as crenças profundas da Mansada Records, cada improvisação que tocamos é apresentada neste álbum sem edições, sem modificações. Não haviam ‘velhas canções’: tudo era novo e discutido no momento. Acabamos a sessão quinze minutos antes, porque sabíamos que estava pronto, e que era belo”.

O Stibium é Diego Dias (saxofone tenor e clarinete), Israel Savaris (baixo) e Michel Munhoz (bateria). O sax de Dias às vezes soa como uma guitarra insana (ouça a faixa-título) e a bateria de Munhoz segue impiedosa.

Improvisar, claro, não é “tocar qualquer coisa”. Há uma lógica que muitas vezes o cérebro não compreende e é difícil de seguir. Mas o trio executa com clara paixão, o que é tocante.

“Isto é o que acontece quando você sente o ímpeto de tocar”, diz o anúncio oficial. “Isto é Stibium sendo Stibium, mais uma vez”, decretam, em alusão à faixa final, que é resumo do trio e da obra.

“Turvo” foi feito sem cortes, sem edições, um retrato de uma noite, de um momento. É a música que não se repõe.

Ouça na íntegra:

O disco foi gravado no Estúdio Floyd Explica, em Porto Alegre, dia 26 de agosto de 2017, e lançado dia 5 de setembro pela Mansarda Records. A gravação e a masterização é com a assinatura do próprio Diego Dias.

1. Turvo
2. Caliça
3. Encruamento
4. Barômetro Maledicência
5. Homocinética
6. Grumos
7. Stibium Sendo Stibium

Leia mais:

  • Nada relacionado

Comentários

comentários

Comente